A sessão foi criada por sugestão do amigo jornalista, roteirista e cineasta Penna Filho, a título de reverenciar a memória do jornalista, televisista, radialista, cronista, escritor carioca Sérgio Porto e seu heterônimo Stanislaw Ponte Preta, criador das Certinhas do Lalau no jornal Última Hora, do Rio de Janeiro.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18






















As Certinhas do Oleari + Poesia - Murilo Mendes - Seleção de poemas e ilustrações de Walder Rocha

26 de janeiro de 2016
As Certinhas e Murilo Mendes, Walder Rocha me mandou em 23 de maio de 2009. E mandou também um bilhete bem a seu estilo, um intelectual crítico, cáustico e debochado.

Diz Walder Rocha: 

- " Capo dei cappi,


Nem só de Drummond se canta Minas, e as minas de Minas.
Já que o philósopho juix’iforano não divulga a terrinha, até quando ficaremos sem saber quem foi Murilo Mendes?



Andreas Achenbach, Germany 
(1815 - 1910), A Fishing Boat

A tentação

Murilo Mendes

Diante do crucifixo 
Eu paro pálido tremendo 
“Já que és o verdadeiro filho de Deus 
Desprega a humanidade desta cruz”.


Ticiano, Flora
O homem, a luta e a eternidade

Murilo Mendes

Adivinho nos planos da consciência
dois arcanjos lutando com esferas e pensamentos
mundo de planetas em fogo
vertigem
desequilíbrio de forças,
matéria em convulsão ardendo pra se definir.
Ó alma que não conhece todas as suas possibilidades,
o mundo ainda é pequeno pra te encher.
Abala as colunas da realidade,
desperta os ritmos que estão dormindo.
À guerra! Olha os arcanjos se esfacelando!

Um dia a morte devolverá meu corpo,
minha cabeça devolverá meus pensamentos ruins
meus olhos verão a luz da perfeição
e não haverá mais tempo.



Ticiano, O amor sagrado e o profano, detalhe


Reflexão n°.1

Murilo Mendes

Ninguém sonha duas vezes o mesmo sonho
Ninguém se banha duas vezes no mesmo rio
Nem ama duas vezes a mesma mulher.
Deus de onde tudo deriva
E a circulação e o movimento infinito.

Ainda não estamos habituados com o mundo
Nascer é muito comprido.





John William Waterhouse , 1849-1917 

- The Lady of Shalott




Canção do exílio 

Murilo Mendes








Minha terra tem macieiras da Califórnia

onde cantam gaturamos de Veneza.
Os poetas da minha terra
são pretos que vivem em torres de ametista,
os sargentos do exército são monistas, cubistas,
os filósofos são polacos vendendo a prestações.
A gente não pode dormir
com os oradores e os pernilongos.
Os sururus em família têm por testemunha a Gioconda.
Eu morro sufocado
em terra estrangeira.
Nossas flores são mais bonitas
nossas frutas mais gostosas
mas custam cem mil réis a dúzia.

Ai quem me dera chupar uma carambola de verdade
e ouvir um sabiá com certidão de idade!

Pitaco do Oleari

À pergunta de Walder Rocha: ..."até quando ficaremos sem saber quem foi Murilo Mendes?"...não tenho a menor dúvida de que quem pode responder com maestria é o nosso Rubens Pontes.
 Ele, também um mineiro que adora uma carambola e as manguitas tão doces de Minas Gerais. 

Além de ser profundo conhecedor dos poetas mineiros, não se falando de outros da periferia universal (Oswaldo Oleari).

COMENTAR

COPYRIGHT© 2007-2014 Don Oleari Ponto Com - Todos os direitos reservados - Aldeia Verbal Produções e Jornalismo.